Como acontece a dependência à nicotina?







O cigarro contém quase cinco mil substâncias tóxicas, e destas, a nicotina é a responsável direta pela dependência do fumo. A indústria do fumo vem, ao longo dos anos, acrescentado outras substâncias – tais como amônia e ultimamente aromatizantes (mentol, cravo, etc.) para aumentar o poder de adição do cigarro. Tudo para fisgar os jovens (70-80% dos fumantes começam a fumar antes dos 18 anos) e manter você dependente do fumo.

A nicotina chega ao seu cérebro em apenas 9 segundos após uma tragada, ou seja, em um tempo menor do que uma prova olímpica de 100 metros rasos.

Esta droga (perdoe, mas a nicotina também é uma droga, embora seja legalmente produzida e vendida) atua em uma área do cérebro – núcleo accumbens – onde se processa o nosso Sistema de Recompensa Cerebral, o que gera a liberação de uma substância essencial para a espécie humana chamada DOPAMINA, neurohormônio natural que regula diversas reações do corpo diante das situações cotidianas, sejam as de alegria (por isto o fumante sente prazer em fumar) sejam as de angústia ou tristeza (o fumante fuma para aliviar a ansiedade e combater o estresse).

Importante você saber: TODAS as pessoas têm este sistema de gratificação e não precisam fumar para reagir diante destas mesmas situações de desconforto ou de prazer.

No início, ainda jovem, quando o indivíduo começa a experimentar o cigarro, ele fuma ocasionalmente, mas ao longo de alguns meses a poucos anos, já sente necessidade de fumar regularmente uma quantidade maior de cigarros, aí se estabelece a dependência à nicotina, através de um mecanismo conhecido como TOLERÂNCIA à droga, o que quer dizer isso?

Significa que para alcançar os mesmos efeitos de antes a pessoa precisará usar uma quantidade maior da mesma substância, diariamente e a intervalos cada vez mais curtos. Como por exemplo, pessoas que fumam assim que acordam, após enfrentar uma noite de abstinência, ou quando chegam de uma viagem, antes mesmo da mala ser retirada da esteira.

No cérebro, há um conjunto de receptores, como se fossem “caixinhas de fósforo” prontos para receberem o estímulo da nicotina, eles se chamam “receptores nicotínicos” e são sendo sensibilizados à medida que o indivíduo vai se iniciando na senda da dependência tabágica. É neles que se processa o sinal para liberar uma descarga de dopamina para o organismo, que sabiamente recolhe o excesso desta substância, o que leva a uma necessidade de reposição da nicotina, levando a pessoa dependente a fumar a intervalos regulares, ou dependendo da situação que está enfrentando (por exemplo, em um momento de estresse ou, em uma festa bebendo) a reduzir mais ainda o tempo entre um cigarro e outro.

Então, para finalizar esta resposta vamos sintetizar neste acróstico as diversas fases da dependência à nicotina, que demonstra claramente que é um fenômeno químico que acontece com o corpo e, não “uma falta de vergonha” ou de caráter como, de forma errônea é atribuído ao fumante. É uma doença e precisa ser tratada.

Como acontece a dependência à nicotina? Como acontece a dependência à nicotina?  Editado por saude.chakalat.net on 04:54 Nota: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.