Tabagismo e os danos ao ecossistema






O início da preparação do solo para o plantio do fumo ocorre em abril, com o uso de uma grande quantidade de fertilizante.

Nos meses de maio a junho, a sementeira é preparada com o uso de exterminadores de pragas, de contaminadores do solo como os herbicidas, inseticidas, fungicidas, além do uso do brometo de metila, um potente esterilizador do solo, banido da agricultura mundial por contribuir para a destruição da camada de ozônio.

A seiva da planta de fumo absorve os desbrotantes, que têm a função de evitar o rebrotamento de folhas próximas à terra, ocasionado um crescimento maior na parte superior do caule.

O transplante das mudas é realizado entre julho e agosto, nesse processo são utilizados periodicamente também inseticidas e fungicidas.

No período da pré-colheita, compreendido entre outubro e dezembro, ocorre a maior contaminação do solo, pois altíssimas quantidades de agrotóxicos, entre eles os organofosforados e os carbamatos, são utilizados. Toda a família do fumicultor está envolvida na época da colheita, que corresponde aos meses de dezembro e janeiro, inclusive as crianças, que não raro adoecem nessa atividade de trabalho infantil.

O descarte dos recipientes de agrotóxicos já utilizados, em 80% dos casos, é feito de forma inadequada, sendo queimado ou jogado nas florestas. Vale ressaltar que muitos fumicultores mais idosos são de origem alemã, com grande dificuldade na compreensão da fala e leitura da língua portuguesa, o que dificulta o entendimento dos rótulos e dos receituários agronômicos.

O ecossistema é agredido pelo uso em larga escala e pelo descarte inadequado do resíduo de agrotóxico, contaminando os lençóis freáticos, os leitos dos rios, os alimentos e os animais.

O tabaco é uma planta que provoca a erosão ao empobrecer rapidamente o solo, pois utiliza mais nitrogênio, fósforo e potássio do que outros tipos de cultivo. Nos países tropicais, onde o teor de nutrientes do solo é mais baixo, o impacto da depleção do solo é maior.

Tabagismo e incêndios

O simples fato de lançar uma ponta de cigarro pela janela do veículo na estrada, onde há uma mata seca, pode gerar graves conseqüências. Nas áreas rurais e urbanas, 25% dos incêndios ocorrem devido ao descarte inadequado das pontas de cigarros.

Em 2007, uma nova lei foi promulgada em Los Angeles - Califórnia, onde passou a ser proibido o fumo em parques e praias para evitar riscos de incêndios.


Diversificação da fumicultura, uma solução para o futuro

A recuperação do solo só será possível com o uso de grande quantidade de fertilizante. Outra possibilidade é através do sistema de cultivo rotativo, para restaurar seus nutrientes, caso contrário o solo ficará empobrecido por anos, só voltando a produzir à custa de alta tecnologia e de caros fertilizantes artificiais.

Segundo o Ministério do Desenvolvimento Agrário U$ 5 milhões estão sendo investidos, para a pesquisa e a sensibilização dos fumicultores, no incentivo à diversificação da cultura do fumo nas regiões produtoras. A fumicultura poderá ser substituida pelo plantio de flores, frutas e plantas medicinais.

Tabagismo e os danos ao ecossistema Tabagismo e os danos ao ecossistema Editado por saude.chakalat.net on 04:58 Nota: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.